Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

DEPOIS DE 24 ANOS, AÇOUGUEIRO É JULGADO MAIS UMA VEZ E AINDA TEM RECURSO

Caso do açougueiro. Homem é condenado a 21 anos de prisão por morte de professora em 1998, na Fronteira Oeste. Edson Reina, de 48 anos, recebeu a sentença após 18 horas do início do julgamento em Santana do Livramento - ZERO HORA, RADIO GAÚCHA, 29/02/2012 | 04h11

Após mais de 18 horas, o júri popular de Santana do Livramento, na Fronteira Oeste, condenou a 21 anos de prisão em regime fechado o réu Edson Reina, 48 anos, conhecido como Xirica. A sentença foi lida pelo juiz Frederico Conrado, às 3h25min desta quarta-feira. O júri havia iniciado às 9h de terça.

Reina é acusado de ter sequestrado a professora Deise Belmonte, sua ex-companheira, em agosto de 1998 e, depois, de ter esquartejado a vítima e acondicionado as partes do corpo em sacos plásticos. As embalagens foram encontradas próximo a um lixão clandestino na rodovia Santana do Livramento-Quaraí (BR-293) e nas margens da BR poucos dias após o crime.

Em dezembro de 2000, ele já havia sido condenado a 28 anos de prisão, mas a decisão foi anulada após recurso da defesa. Em 2003, acabou condenado por ocultação de cadáver, mas a promotoria recorreu e foi marcado novo julgamento.

Edson Reina fugiu para o Chile, onde ficou até 2009. No ano passado, ele foi extraditado para o Brasil. Até então, cumpria pena em seu país de origem em razão de outro crime. O acusado não terá direito de recorrer em liberdade.

2 comentários:

  1. Esse criminoso infelizmente é da minha cidade natal...mas enfim justiça seja feita...tem que pagar pelo crime bárbaro que cometeu. Marta Salenave Itajaí SC

    ResponderExcluir
  2. Esse criminoso tem que pagar pelo crime bárbaro que cometeu ...parabéns justiça de Santana do Livramento..minha terra natal. Marta Salenave....Itajaí Sc

    ResponderExcluir