Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

terça-feira, 30 de agosto de 2011

EFICÁCIA E CUSTO DA JUSTIÇA SÃO CRITICADOS

JUSTIÇA EM NÚMEROS. Peluso faz critica à Justiça - ZERO HORA 30/08/2011

Ao apresentar os dados do levantamento Justiça em Números, o presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Cezar Peluso, admitiu ontem que o Judiciário brasileiro como um todo está mais caro – e nem por isso mais eficiente.

De cada cem processos em tramitação em 2010 apenas 30 foram finalizados ao longo do ano.

– Todo mundo sabe que esses números não deixam nenhuma dúvida de que há um déficit muito grande em relação às demandas da sociedade e à capacidade do Judiciário de responder – comentou.

Conforme o levantamento, as despesas totais da Justiça Estadual, Federal e do Trabalho atingiram R$ 41 bilhões em 2010, valor equivalente a 1,12% do Produto Interno Bruto (PIB) e a R$ 212,37 por habitante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário