Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

OS EMBARGOS INFRINGENTES E A VULNERABILIDADE DO SISTEMA

ZERO HORA 11/09/2013 | 05h08

Paulo Sant'Ana: "Os embargos infringentes"


Hoje haverá uma sessão importante do Supremo Tribunal Federal.

Tenho certeza de que a partir de hoje serão surpreendentemente aceitos os embargos infringentes dos principais réus, que assim não conhecerão as grades da Penitenciária da Papuda.

-

Se você, leitor ou leitora, acredita na justiça humana, mergulhe a partir disso no mais profundo ceticismo: não há salvação para a espécie humana.

Creia, isso sim, leitor, que há determinados réus e há outros réus.

Há réus passíveis de serem punidos e há réus imunes a qualquer punição.

-

É doloroso, mas infelizmente esta é a verdade: a justiça não é para todos, a justiça é apenas para algumas pessoas.

Por exemplo, o publicitário Marcos Valério, que foi quem pagou de mão em mão dos corruptos a corrupção, este será aparentemente punido com o máximo rigor.

Mas tenho certeza de que o mesmo Marcos Valério, embora venha a conhecer inicialmente o amargo sabor das grades da prisão, ali adiante não será esquecido pela súcia criminosa e receberá unção física que o livrará finalmente das grades e o fará calar-se para sempre.

-

Na minha previsão, o grande derrotado ao lado do próprio Brasil será o ministro Joaquim Barbosa.

Ele resistiu até o fim, será vencido no fim.

Foi bravo, esgrimiu contra tudo e contra todos e será abalroado pelo sistema nestes dias que começam hoje.

-

Se eu tiver razão, tudo não passou de uma espetacular comédia. Deu-se a impressão de que conheceriam a pior pena (o recolhimento às grades) os réus mais importantes e cabeças da engrenagem.

Mas adviriam acontecimentos suavizadores das penas, entre eles a substituição, recentemente, de dois ministros do Supremo.

Se Joaquim Barbosa fosse extrassensível, teria percebido que uma conjunção final de fatores levaria à extrema-unção dos principais réus.

E Joaquim Barbosa apenas soçobrará como um mártir desse julgamento, alguém que acreditou na veracidade de seu ministério e apenas desconheceu que sempre, inevitavelmente nesse tipo de caso, prevalece a justiça falha e vulnerável do sistema.

É o meu vaticínio. E, se eu errar, não me faltará hombridade e humildade para reconhecer meu erro e pedir desculpas a meus leitores.

Mas hoje, neste instante, eu tenho o dever inarredável de seguir o meu controle sensorial sobre os últimos acontecimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário