Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quarta-feira, 25 de abril de 2012

AUXÍLIO-MORADIA RS - CONSELHEIRO NÃO PODERÁ JULGAR

ZERO HORA 25/04/2012

Uma certidão emitida pela diretoria administrativa do Tribunal de Contas do Estado deverá confirmar hoje a suspeição do conselheiro Algir Lorenzon no julgamento do pagamento do auxílio-moradia aos magistrados gaúchos.

O caso se concretizou porque Lorenzon já atuava como conselheiro entre 1994 e 1998, período ao qual se referem as parcelas do auxílio-moradia. Como ele tem direito ao benefício, pode entrar em conflito de interesses ao opinar sobre a matéria.

A suspeição impedirá Lorenzon de votar no julgamento de mérito da matéria, previsto para ocorrer nas próximas semanas. Antigas votações que validaram o pagamento do benefício com a participação de Lorenzon somente seriam anuladas se ele fosse declarado impedido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário