Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quinta-feira, 15 de março de 2012

FÓRUM DO LALAU


TRT de SP é obrigado a alugar novo prédio - zero hora 15/03/2012

Oito anos depois de sua inauguração, o Fórum Trabalhista Ruy Barbosa – o famoso Fórum do Lalau, símbolo de corrupção e fraudes no Poder Judiciário – malogrou na missão de fazer frente ao grande volume de ações.

O fracasso do “Lalau” obrigou o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, com jurisdição em São Paulo, a criar mais um fórum, para 30 varas do Trabalho, a um custo mensal de R$ 769,9 mil, valor do aluguel que a Corte terá de arcar por um edifício de oito pavimentos na zona norte da capital, na cabeceira da Ponte do Limão.

O tribunal não abriu licitação, sob argumento de que o artigo 24 da Lei 8.666 (Lei de Licitações) autoriza inexigibilidade de concorrência para locação de imóvel. Segundo o tribunal, a locação foi “a única opção encontrada para abrigar as novas varas”. O imóvel escolhido, diz o TRT, foi “a melhor opção, dentre várias analisadas”.


'Prédio do Lalau' não suporta a demanda e TRT decide alugar novo imóvel. Fórum erguido há 8 anos está saturado; aluguel custará R$ 770 mil por mês, sem licitação - 14 de março de 2012 | 22h 48. Fausto Macedo, de O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO - Oito anos depois de sua inauguração, o Fórum Trabalhista Ruy Barbosa - o famoso Fórum do Lalau, símbolo da corrupção e fraudes no Poder Judiciário - malogrou na missão de fazer frente ao grande volume de ações.

O fracasso do “Lalau” obrigou o Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT2), com jurisdição em São Paulo, a criar mais um fórum, para 30 varas do Trabalho, a um custo mensal de R$ 769,9 mil, valor do aluguel que a corte terá de arcar por um edifício de oito pavimentos na zona norte da capital, na cabeceira da Ponte do Limão. O TRT2 não abriu licitação, sob argumento de que o artigo 24 da Lei 8.666 (Lei de Licitações) autoriza inexigibilidade de concorrência para locação de imóvel. Segundo o tribunal, a locação foi “a única opção encontrada para abrigar as novas varas”. O imóvel escolhido, diz o TRT2, foi “a melhor opção, dentre várias analisadas”.

Juristas e procuradores do Ministério Público repudiam a ausência da concorrência. Alegam que isso seria adequado se houvesse um único imóvel capaz de atender ao tribunal que, no entanto, acabou optando por uma construção praticamente na planta.

Um ex-dirigente do TRT2 advertiu que, se houvesse tanta urgência na locação, o prédio já deveria estar pronto e as varas em funcionamento. O contrato foi firmado em 30 de dezembro e o edifício que abrigará o novo fórum ainda está em construção, um esqueleto à beira da Marginal Tietê.

Advogados destacam que o tribunal poderia ter consultado a União sobre a existência de imóveis públicos na região - citam como exemplo um terreno de 80 mil metros quadros doado pela Rede Ferroviária Federal em área próxima ao Fórum Lalau, na Rua do Bosque.

Demanda. As 90 varas instaladas no “Lalau” não mais suportam a demanda explosiva da corte. “Não existe mais espaço físico no Fórum Ruy Barbosa”, admite o tribunal. “Estudos continuarão a ser feitos, com o objetivo de alocar as novas varas numa sede própria.”

O TRT2 vai pagar R$ 45.765 o metro quadrado do novo prédio, que terá área de 16.825 metros quadrados, situado à rua Samaritá, 887. O tribunal informou que neste momento a corte “não está arcando com valor nenhum”. Os efeitos financeiros do contrato de locação terão início no ato de entrega das chaves, “previsto para junho”.

O tribunal alugou o prédio da empresa Vivicon Locações e Participações Ltda., proprietária do imóvel que está sendo erguido pela Codeme Engenharia S.A.

A Vivicon informou que a obra teve início em maio do ano passado. “O prédio estava no mercado”, pondera Moisés Nigri, da Vivicon. “O tribunal se interessou pela locação, fizemos contrato para essa finalidade.” Distante dois quilômetros do Lalau, o futuro fórum terá oito pavimentos, cinco deles destinados às varas trabalhistas, um subsolo para estacionamento de magistrados e servidores e dois pavimentos para serviços de apoio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário