Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

segunda-feira, 14 de maio de 2012

DESORDEM PRISIONAL: JUÍZES EVITAM ORDEM DE PRISÃO

R$ 10 MILHÕES PERDIDOS. Juízes evitam ordem de prisão - ZERO HORA 09/05/2012

O déficit de vagas no atual Presídio Regional de Bento Gonçalves impede que todos os criminosos acertem as contas com a sociedade.

A iniciativa de não expedir ordem de prisão é adotado pela juíza Fernanda Ghiringhelli de Azevedo, seguindo um acordo entre juízes de varas de execuções criminais, em 2009, no auge das crises recentes no sistema prisional no Estado.

– A medida só vale para casos de crimes não hediondos e sem risco de prescrever. Em cada decisão, mando uma cópia para a Secretaria da Segurança Pública, informando que estamos deixando de prender por falta de vagas.

A situação obriga a juíza a uma ginástica. Ela visita o presídio todos os meses – quando não toda a semana – para verificar a situação da cadeia e reavaliar sua decisão. Dependendo das condições, expede a ordem de prisão e o réu é preso.

– O presídio esteve interditado durante quase todo ano de 2008. Estamos cobrando providências do Estado. Se não forem tomadas, vamos ingressar com uma ação cível para que o Estado seja obrigado, judicialmente, a construir um novo presídio – afirma o promotor Gilson Medeiros.

Desde 2009, o presídio mantém uma média de 300 presos. Antes disso, o crescimento da massa carcerária era de 30 presos por ano, recorda o delegado Leônidas Augusto Costa Reis, da 1ª Delegacia da Polícia Civil da cidade.

– Isso significa que ao longo desse tempo, uma centena de criminosos, autores de pequenos delitos, deveria ter sido presa, mas está solta – estima o policial.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - É assim que se estimula o crime, deixando impunes os pequenos delitos. Ao invés de responsabilizar o Chefe do Poder Executivo e pedir a intervenção da Assembléia Legislativa, o Judiciário se omite e dá mais um forte um empurrão para o avanço da criminalidade no RS.

Leia a matéria

http://prisional.blogspot.com.br/2012/05/r-10-milhoes-perdidos-para-burocracia.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário