Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

domingo, 15 de julho de 2012

O JUDICIÁRIO NÃO PUNE A CORRUPÇÃO NA POLÍTICA


ZERO HORA 15/07/201215 N° 17131

GUILHERME MAZUI | Brasília

ENTREVISTA

“O Judiciário não pune a corrupção na política”

Fernando Filgueiras Professor de Ciência Política (UFMG)

Um dos autores do livro Corrupção e Sistema Político no Brasil, o cientista político Fernando Filgueiras acredita que, no país, cada vez mais amadurece a democracia, mas é preciso ampliar os mecanismos de punição para frear a sucessão de escândalos. Professor do departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais, Filgueiras reclama das falhas no processo de investigação e salienta que a corrupção não é cultural no Brasil, mas sim fruto da falta de aprimoramento dos mecanismos de controle.

Zero Hora – Por que o país produz escândalos em série?

Fernando Filgueiras –
Os escândalos podem fazer parecer que a corrupção é muito mais regra do que exceção no país. Não é o caso. Desde a Constituição de 1988, o Estado brasileiro tem aprimorado suas instituições de controle. O aprimoramento cria uma virtude ambígua. Melhora a gestão mas, por outro lado, desvela a corrupção no sistema político e na administração pública. Apesar disso, o enfrentamento da corrupção ainda tem muito o que ser aprimorado.

ZH – O foro privilegiado incentiva a corrupção e a impunidade?

Filgueiras –
O foro especial é muitas vezes necessário nas democracias. Foi criado para proteger os parlamentares do arbítrio. O problema é o modo como construímos isso no Brasil. O que era para ser especial tornou-se um privilégio de políticos para se verem livres de responsabilidade e de punição.

ZH – A Justiça tem sua contribuição na realidade da política brasileira?

Filgueiras –
Sim. O Judiciário não pune a corrupção, especialmente na política. Todavia, esse cenário vem mudando. E a responsabilidade não é apenas do Judiciário, mas do sistema judicial como um todo. Existem ainda muitos problemas nos processos de investigação que impedem a punição da corrupção.

ZH – O eleitor também tem sua parcela de culpa?

Filgueiras –
O eleitor é o último dos culpados. Ele é submetido a um processo confuso e escandaloso de informações e é vítima da desigualdade que a própria corrupção produz. Não podemos culpar o eleitor. Até porque ele não tem mecanismos para punir os políticos durante o mandato.

ZH – Pode se dizer que a corrupção é cultural no Brasil?

Filgueiras –
Essa questão é muito pobre. O brasileiro apoia a democracia, desconfia dos políticos e das instituições e é extremamente crítico à corrupção. O problema da corrupção não é cultural. O que existe é uma enorme ambivalência em relação aos valores e ao interesse público.

ZH – Como combater a corrupção?

Filgueiras –
Devemos manter a rota de construção institucional dos controles públicos e fortalecer a democracia. Não há outro remédio. Mas, imediatamente, no caso brasileiro, precisamos enfrentar o problema da impunidade.

ZH – A ética nas relações políticas é mais retórica do que prática, como se viu no caso do senador Demóstenes Torres?

Filgueiras –
Não se trata de retórica. Tem de haver valores públicos para que haja uma perspectiva ética na política. A ética é uma perspectiva prática, porque ela tem a ver com o que construímos no cotidiano. Ainda temos muito o que avançar, por isso precisamos estar calcados em instituições fortes, que sejam capazes de produzir e reproduzir valores éticos.

ZH – Qual a expectativa do senhor em relação ao julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal?

Filgueiras –
O cenário é um pouco nebuloso ainda. Independentemente do processo judicial e do emaranhado de leis que serão evocadas durante o julgamento, existe uma escolha política a ser feita. Acredito que o STF não vai querer se desmoralizar inocentando os envolvidos no mensalão.






Um comentário:

  1. Hoje em dia, acredito que a IMPUNIDADE seja o maior maior que acomete este País, Todos ficam com a impressão de que se fizerem algo errado acabará em PIZZA e, infelizmente a experiência amarga que temos é que estão certos, TEMOS DE MUDAR E ESTA MUDANÇA COMEÇA PELO JUDICIÁRIO FORTALECENDO SUAS CONVICÇÕES CONTRA A IMPUNIDADE EM TODOS OS NÍVEIS, Minha opinião!

    ResponderExcluir