Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quarta-feira, 4 de julho de 2012

DESEMBARGADOR É PUNIDO POR ASSEDIAR MULHER

FOLHA.COM. 04/07/2012 - 11h05

CNJ pune desembargador por assediar mulher

DE BRASÍLIA

Um desembargador do Tribunal de Justiça de Goiás foi punido ontem pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) sob a acusação de assediar uma mulher que era parte de um processo que estava sob sua análise.

O magistrado Hélio Maurício de Amorim será aposentado compulsoriamente, segundo a decisão, o que lhe garante o direito de receber proporcionalmente uma remuneração por tempo de serviço.

No entendimento do CNJ, a atitude do juiz fere a honra e a dignidade necessários para atuação do juiz.

A acusação do conselho dizia que Amorim foi na casa da mulher, parte de um processo que ele estava analisando, e tentou agarrá-la. O juiz também é acusado de convidá-la para um "vinhozinho".

A defesa do desembargador admitiu que ele foi à casa da mulher, mas alegou que não houve tentativa de assédio.

A mulher vítima do assédio do desembargador brigava na Justiça pela guarda do filho, num processo de separação. À época, em 2007, Hélio Maurício de Amorim era juiz de uma Vara da Família em Goiânia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário