Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

sábado, 2 de junho de 2012

JUSTIÇA SUSPENDE PROCESSO NATAL LUZ DE GRAMADO

 
ZERO HORA, 02 de junho de 2012 | N° 17088

NATAL LUZ

Justiça suspende processo criminal


Está suspenso temporariamente o processo criminal da Operação Papai Noel, que investiga supostas irregularidades na prestação de contas do Natal Luz de Gramado. A decisão foi anunciada pelo Tribunal de Justiça do Estado na quinta-feira depois de solicitação de dois advogados que defendem 11 réus no processo.

O recurso foi pedido pelos advogados Amadeu Weinmann e Cláudio Candiota para que haja mais rapidez nas decisões do processo, que corre há mais de seis meses na Comarca de Gramado.

Dos 34 réus denunciados no ano passado pelo Ministério Público por supostas irregularidades no Natal Luz, pelo menos oito já foram excluídos do processo. O Tribunal de Justiça deve julgar o pedido de correição nos próximos dias. Até esse julgamento, o processo está suspenso.

Também estão sendo investigadas no Ministério Público de Gramado as contas do Natal Luz de 2011. O inquérito foi aberto na quarta-feira por suspeita de superfaturamento dos serviços. A Câmara de Vereadores da cidade instaurou ainda uma CPI para investigar as possíveis irregularidades.
Entenda o caso
- No ano passado, o Ministério Público de Gramado denunciou 34 réus por possíveis irregularidades na prestação de contas do Natal Luz entre os anos de 2007 a 2010.
- No período, teriam sido identificados pagamentos ilegais que chegariam a R$ 7,8 milhões beneficiando as pessoas que organizavam e dirigiam o evento.
- No processo criminal, eles são acusados de formação de quadrilha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário