Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quarta-feira, 20 de junho de 2012

ALOPRADOS NA JUSTIÇA SEIS ANOS DEPOIS

 
ZERO HORA, 20 de junho de 2012 | N° 17106

ESCÂNDALO DE 2006

Denúncia contra aloprados é aceita


Seis anos após o escândalo do dossiê antitucano, o juiz Paulo Cézar Alves Sodré, da Justiça Federal do Mato Grosso, aceitou denúncia oferecida pela Procuradoria da República no Estado contra os aloprados. O grupo, seis quadros do núcleo de inteligência do PT, teria, segundo a PF, amealhado R$ 1,7 milhão para adquirir um dossiê com informações sobre o candidato do PSDB ao governo de São Paulo de 2006, José Serra.

São acusados formalmente o agente da PF Gedimar Pereira Passos, o engenheiro Valdebran Carlos Padilha, o ex-diretor do Banco do Estado de Santa Catarina Jorge Lorenzetti, o ex-diretor do Banco do Brasil Expedito Afonso Veloso, o sindicalista Osvaldo Bargas e Hamilton Feitosa Lacerda, coordenador de campanha do então candidato do PT ao governo, Aloizio Mercadante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário