Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

terça-feira, 1 de novembro de 2011

TJ-RS CRITICA DECLARAÇÕES DE DOM DADEUS SOBRE O JUDICIÁRIO

Em nota, Tribunal de Justiça critica declarações de Dom Dadeus sobre o Judiciário. No texto, desembargador diz que arcebispo optou "pelo caminho da agressão e do escândalo" - ZERO HORA ONLINE, 01/11/2011 | 19h36min

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) emitiu nota nesta terça-feira para rebater as críticas feitas ao Judiciário pelo arcebispo de Porto Alegre Dom Dadeus Grings.

No texto, o presidente do Conselho de Comunicação Social do TJ, desembargador Túlio Martins manifesta indignação e repúdio às declarações de Dom Dadeus, afirmando que o arcebispo optou pelo caminho da agressão e do escândalo frente a uma condenação judicial

Na segunda-feira, após condenação do Tribunal de Justiça de São Paulo, Dom Dadeus acusou o Judiciário de corrupção.

Confira na íntegra a nota do TJ:

"O Poder Judiciário manifesta sua indignação e repúdio às declarações do arcebispo de Porto Alegre, que mais uma vez optou pelo caminho da agressão e do escândalo frente a uma condenação judicial.

Dom Dadeus, ao apresentar-se como um homem intolerante, agressivo, preconceituoso, vingativo e rancoroso, mostra-se a antítese do cristão de que nos fala a Bíblia.

A Igreja Católica não merece ser colocada no centro de polêmicas equivocadas e movidas por simples recalques e frustrações pessoais.

O arcebispo deveria deixar as questões legais para os corretos e competentes advogados da Cúria Metropolitana e, à sua vez, submeter-se com humildade às lições de convivência e urbanidade pregadas por sua própria religião."

Nenhum comentário:

Postar um comentário