Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quarta-feira, 4 de maio de 2011

JUÍZES DO RS ACEITAM ABRIR DADOS

Juízes aceitam abrir dados - ZERO HORA, 04/05/2011 - PÁGINA 10 | ROSANE DE OLIVEIRA

A Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris) topa o desafio proposto pelos empresários da Agenda 2020: abre os dados de todos os seus gastos, em troca da transparência total dos benefícios fiscais concedidos às empresas.

O presidente da Ajuris, João Ricardo dos Santos Costa, diz que os principais dados já estão disponíveis no site Transparência, mas que o Judiciário não se negará a fornecer informações complementares.

A entidade só não concorda com a divulgação individualizada dos salários de cada juiz ou servidor. No site, os vencimentos aparecem por faixas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário