Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

sábado, 5 de fevereiro de 2011

MENSALÃO - MOROSIDADE, CHICANA E PRESCRIÇÃO

Barbosa luta contra o tempo - Lauro Jardim, Radar on-line, Revista Veja Online, 05/02/2011

O relator - Barbosa: ele tem se esforçado para evitar a prescrição de crimes dos mensaleiros

Por causa de recursos variados impetrados pelos advogados dos réus, o processo do mensalão ainda está na fase das diligências finais.

Em sua maioria, tais recursos se enquadram nas chamadas chicanas jurídicas. Com otimismo, as diligências deverão ir até abril.

E o que isso significa?

Duas coisas ruins.

Primeiro, a ação só deve ser julgada pelo Supremo no início de 2012, por mais que o ministro Joaquim Barbosa, relator do escândalo-símbolo do governo anterior, não vá admitir o fato publicamente e se esforce para isso não ocorrer.

Segundo, e pior, em agosto começam a prescrever alguns crimes. Um deles, o de formação de quadrilha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário