Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

domingo, 26 de maio de 2013

PRIMAVERA EM PARIS

ZERO HORA 26 de maio de 2013 | N° 17444

PÁGINA 10 | ROSANE DE OLVEIRA

Primavera em Paris

Com apenas sete meses no cargo, uma servidora do Tribunal de Justiça, casada com um juiz, conseguiu antecipar as férias para aproveitar a primavera de Paris com a família.

Ela foi nomeada em outubro de 2012 para o cargo de oficial escrevente, em Seberi. Dois meses depois, foi transferida para Porto Alegre, com a justificativa de “acompanhamento de cônjuge”, e ganhou uma função gratificada.

A servidora postou no Facebook fotos com a família em Paris e acabou chamando a atenção de colegas.

Sem explicação

Zero Hora fez contato com o casal para perguntar sobre as férias antecipadas. O marido disse que ela daria retorno mais tarde, mas ninguém telefonou.

A assessoria de imprensa do TJ respondeu que foram “solicitadas informações à área administrativa para que os fatos sejam devidamente apurados”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário