Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

PARA UMA NOVA PERSPECTIVA DE JUSTIÇA



 JORNAL DO COMÉRCIO - 26/02/2015


Paulo César Velloso Quaglia Filho




Vive-se, nos últimos tempos e em especial a partir do surgimento das chamadas demandas judiciais de massa, um surrealismo processual, sob a luz do qual, tristemente, pelo exponencial crescimento no número de processos e pela concomitante imposição de uma impostergável celeridade, parece se estar cada vez mais sobrepujando a qualidade do trabalho em nome de uma sociedade tecnicista e estatística, que relega os valores humanos e o próprio fim do direito (a almejada justiça) a segundo plano, tratando um instrumento de pacificação social, que é o processo, como um fim em si mesmo, cultuando-se a produtividade, analisando-se as causas de forma pré-moldada, robotizada e pasteurizada, em detrimento, muitas das vezes, da realidade concreta, da lide real posta em debate.

O modelo referido contamina e vem ajudando a criar uma situação generalizada de abstração alienante, que tem as mais variadas causas e origens: leis inadequadas, condutas reprováveis, insuficiência da estrutura material e pessoal, instantaneidade da vida pós-moderna etc. situação essa imposta a todos os operadores do Direito, que, em tal contexto, assim como as partes, são certamente mais vítimas que protagonistas. Esse modelo estatístico, padronizado e robotizado não pode continuar a prevalecer, sob pena de se desmoralizar definitivamente a Justiça.

De fato, se o Direito não servir mais como instrumento para se efetivar a justiça (entendida como a solução jurídica mais correta possível para o caso concreto, respeitadas as peculiaridades de cada tipo de causa, a coerência do sistema jurídico, a consistência das argumentações e que não pode descurar, também, de uma responsabilidade consequencialista para com as soluções perseguidas), se o processo não for encarado como a vida das pessoas envolvidas, e se, enfim, os operadores do Direito não tiverem a empatia de, lembrando Kant, “tratar as causas como gostariam de ser tratados”, então se perde a utilidade do Direito, chegando o momento de findar o Estado e as instituições, pois o nosso “contrato social”, o nosso método racional de persuasão pelo argumento lógico e pela dialética, terá sumido no túnel do tempo da pós-modernidade e da instantaneidade da vida contemporânea.

A alteração dessa realidade passa, porém, também por uma mudança de atuação e pela atitude ética, nos níveis profissional e institucional, de todos, “partes e operadores do Direito”.

Procurador do Estado do Rio Grande do Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário