Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

terça-feira, 26 de agosto de 2014

GREVE DE SERVIDORES AMEAÇA ELEIÇÕES



CORREIO DO POVO 26/08/2014 10:57

Em greve, servidores do Judiciário Federal ameaçam prejudicar eleições. Categoria relatou que perdas salariais atingiram 50%


No dia do “Apagão do Judiciário”, os servidores da Justiça Federal do Rio Grande do Sul - em greve desde 14 de agosto - realizam um ato público, nesta terça-feira, em frente à Central de Atendimento ao Eleitor na avenida Padre Cacique, em Porto Alegre. A intenção da categoria é mostrar que tem condições de prejudicar o andamento das eleições.

Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Estado, Cristiano Moreira, o foco hoje será a Justiça Eleitoral. A expectativa é que todos os servidores do prédio paralisem para participar do ato e demonstrar ao governo federal que, caso a negociação para o ajuste real não ocorra, as eleições podem ser prejudicadas.

“A gente tem a expectativa que, sobretudo no prédio da Justiça Eleitoral, todos os servidores ou a grande maioria deles paralisem para participar desse ato, para fazer uma grande atividade, para mostrar ao governo e ao Supremo Tribunal Federal (STF) que se não respeitarem a categoria, não houver reposição, a gente pode, sim, prejudicar o andamento das eleições”, apontou Moreira.

Os servidores relatam que já chega a 50% o acúmulo das perdas salariais. Afirmam também que o último reajuste salarial para a categoria ocorreu em 2006. O projeto de reajuste orçamentário está paralisado no Câmara dos Deputados desde 2009.

Na semana passada, o movimento contou com o apoio da presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, Cleusa Halfen, que encaminhou um ofício à presidente da República Dilma Rousseff e ao presidente do STF, Ricardo Lewandowski, solicitando esforço na agilização e na aprovação do projeto. A previsão é que possa sair alguma resposta favorável no final da semana.


Fonte: Vitória Famer / Rádio Guaíba

Nenhum comentário:

Postar um comentário