Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

SOLTAR BANDIDOS - MEDIDA JUDICIAL CONTESTADA


Medida contestada - Zero Hora, coluna do Leitor, 13/12/2010

A decisão da Justiça de liberar 1,1 mil presos do regime semiaberto da Região Metropolitana, com o objetivo de obrigar o Estado a abrir vagas em presídios, foi criticada por dois leitores que enviaram mensagens à Redação.

Carolina Pires Duarte, de Torres, considera “um absurdo” a medida: “Está chegando o dia em que não poderemos mais sair de nossas casas, as ruas estarão repletas de marginais e, o pior, com a autorização do governo. Parabenizo a mente brilhante que teve a idéia (mais brilhante ainda) de soltar os bandidos. É isso que o Brasil precisa, de mentes brilhantes como essa. E nós, jovens, não podemos mais nos calar, pois o maldito jeitinho brasileiro ainda vai acabar com este país”.

Jorge Bengochea, de Porto Alegre
, questiona: “Que Justiça é esta que atira o problema prisional para a sociedade, libertando a bandidagem por falta de vagas nos presídios? Ela prefere sacrificar a paz social, a vida e o patrimônio do cidadão para não se indispor com a classe política, que não investe no sistema prisional e permite um ambiente de insegurança, permissividade, ociosidade, execuções etc. Qual a função da Justiça?”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário