Aqui você vai conhecer as mazelas que impedem o Poder Judiciário brasileiro de desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a função precípua da aplicação coativa das leis. Sem justiça, as leis não são aplicadas e deixam de existir na prática. Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, bandidos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. O Brasil precisa de uma justiça coativa, proba, célere, séria, confiável e comprometida com as questões nacionais, de direito e de ordem pública, integrada no Sistema de Justiça Criminal.
- Veja no rodapé deste blog a justiça que queremos e a que não queremos no Brasil

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

IMPUNIDADE DE POLÍTICOS É "MITO", JÁ ESCREVEU NOVO MINISTRO DO STF

FOLHA.COM 12/09/2012 - 04h00
 
Discreto, Teori já escreveu que impunidade de políticos é 'mito'

DE BRASÍLIA

Na noite de domingo, Teori Zavascki telefonou aos filhos, que moram em Porto Alegre, e os avisou que estava indo para o STF (Supremo Tribunal Federal): "Estou mudando de endereço."

Os filhos entenderam o recado cifrado, comprovação de sua fama de discreto: Teori acabara de conversar com a presidente Dilma Rousseff e aceitar o convite dela.

"Para conseguir arrancar alguma coisa dele tem que ser herói. Ele é bem quietão", diz o filho e advogado Francisco Zavascki, 31. Segundo ele, a discrição no diálogo telefônico é também uma preocupação de seu pai com supostos grampos em Brasília.

Somente no dia seguinte, à tarde, souberam da oficialização da indicação ao STF, por meio do noticiário.

Os filhos Francisco e Liliana mantêm com a mãe e ex-mulher de Teori um escritório de advocacia na capital gaúcha --e que tem causas tanto no STJ (Superior Tribunal de Justiça), onde o pai trabalha, quanto no Supremo.

"Os processos nunca começaram no STJ. Começam aqui e chegam no STJ ou no STF, como em qualquer escritório. Meu pai jamais os julgaria", afirma Francisco.

Teori Zavascki é conhecido pela formalidade na relação com funcionários do gabinete e advogados e pelo rigor processual nas votações. Colegas também ressaltam posições favoráveis à União em questões fazendárias.

O ministro não é de frequentar rodas sociais de Brasília. Aos finais de semana, vai a Porto Alegre visitar os filhos e ver jogos do Grêmio, clube do qual é conselheiro.

Lendo decisões dele no STJ, é possível saber a maneira como pensa sobre alguns temas. Para ele, a improbidade administrativa só existe se for comprovada a má-fé no desvio do dinheiro, por exemplo. E a impunidade de políticos é um "mito".

Editoria de arte/Folhapress


Nenhum comentário:

Postar um comentário